Conheça tudo sobre a Cachaça, a bebida Nacional!
Alambique da Cachaça
Imigrantes Bebidas

Mais de 250 rótulos de cachaças diferentes
Brasil poderia exportar mais cachaça

Brasil poderia exportar mais cachaça para gringo

Ainda faltam condições para exportar maiores volumes de cachaça em embalagens adequadas

A caipirinha, o drink brasileiro mais conhecido no exterior, pode ser consumida em cerca 70 países. Esse é o número médio de países para os quais o Brasil exporta, atualmente, a cachaça. Mas, se a distribuição geográfica das exportações é razoável, os volumes ainda são pequenos.

O presidente do Centro Brasileiro de Referência da Cachaça (CBRC) e diretor de marketing da Expocachaça, José Lúcio Mendes, explica que as vendas externas oscilam entre 12 a 17 milhões de litros por ano, enquanto a produção anual, excluindo os alambiques informais, chega a 1,4 bilhão de litros. “Isso significa que 99% da bebida fica no mercado interno. No Brasil, o market share da cachaça é de 87% entre os destilados”, disse.

Segundo Mendes, as exportações são feitas, basicamente, por grandes indústrias. “São as cachaças de empresas que produzem em grande escala e conseguem chegar ao mercado externo com tranquilidade, porque tem recursos para fazer planos de exportação”. Ao contrário dos pequenos e microempresários, que representam 98% dos 40 mil produtores registrados no país e precisam de parcerias no exterior para trabalhar a marca, o marketing e a permanência. Entre as marcas que já se consolidaram no mercado internacional estão Pitu, 51 e Ypioca.

Programas de incentivo para ações de exportações, controle de qualidade e assistência ao produtor são soluções que Mendes aponta para que a cachaça artesanal de alambique ganhe o mercado externo.

“Se houver condições de vender uma cachaça envelhecida em tonéis de madeira, com uma boa embalagem e com a garantira de que os processos de qualidade foram cumpridos, a exportação aumentará”, afirma.

Diferença

O ingrediente da cachaça é, basicamente, um só. No entanto, a qualidade dos vários processos pelos quais a cana-de-açúcar passa é que vão tornar a bebida diferenciada. Principalmente quando a produção é artesanal, e não industrial, ou seja, destilada em colunas de aço inoxidável, com fabricação em grande escala.

O enólogo do Instituto Vale Verde, Daniel Fornari, explica que a cachaça artesanal é mais elaborada. “A cana tem que ser saudável e não pode ser colhida por queimadas, apenas por corte. O ideal é processá-la até 12 horas depois da colheita, com fermentação natural. Depois, temos a destilação em alambiques e, por fim, o envelhecimento, feito em tonéis de madeira”, explica Fornari, que garante o resultado final está diretamente relacionado à qualidade da matéria-prima.




Conheça Também:

Imigrantes Bebidas
Clã do Whiky
Vodkas.com.br
cervejanacionaleimportada.com.br
Bebidaebebidas.com.br
Adega do Vinho
Absintos.com.br
2324820